Dores de Parto

“…meus filhos, por quem, de novo, sofro as dores de parto, até ser Cristo formado em vós; ” (Gl.4.19)

Essa semana, ao ler a carta de Paulo à igreja da Galácia fui surpreendido por algumas palavras
do apóstolo que até então me passavam um pouco despercebidas. O versículo destacado acima fala de
como Paulo sofria dores intensas por causa dos crentes daquela igreja. Ele compara essas dores as dores
de parto, o que imagino ser uma das aflições mais intensas que um ser humano possa sofrer.

Paulo afirma que sofria “de novo” as dores de parto, o que aponta para o fato de que ele sofreu
para que os gálatas nascessem na fé, e agora estava sofrendo novamente para que eles amdurecessem
nela. O apóstolo acrescenta ainda que aquele sofrimento tinha um objetivo: “até ser Cristo formado em
vós”, revelando assim, que Paulo entendia que edificar pessoas envolvia sofrer por elas.

Mas como será que Paulo sofria? Uma possível resposta para essa pergunta está em 2 Coríntios
11, quando Paulo faz a defesa do seu ministério. Isso porque, não obstante Paulo fosse um incansável
pregador do evangelho, ele ainda tinha que se defender de uma centena de pessoas que o difamavam
e o acusavam de ser um impostor. Depois de falar dos naufrágios, da fome, dos açoites, do frio que ele
havia experimentado por amor ao evangelho. O apóstolo acrescenta ainda: “Além das coisas exteriores,
há o que pesa sobre mim diariamente, a preocupação com todas as igrejas. Quem enfraquece, que
também eu não enfraqueça? Quem se escandaliza, que eu não me inflame?” (2 Co.11.28-29). Havia
uma constante agonia no coração do apóstolo que o fazia sofrer pelas debilidades e pela imaturidade
dos seus filhos na fé.

Creio que essa consciência de cuidado fraternal pelos irmãos deve permear a experiência de
fé de cada discípulo de Jesus. Contudo, reconheço que esse “sentir” é cada vez mais raro na igreja de
nossos dias. Talvez isso seja uma das consequências de uma ética triunfalista, que nega o sofrimento
do cristão e afirma que Deus trabalha o tempo todo para que estejamos felizes, fartos e esbanjando
bênçãos.

O apóstolo Paulo tinha uma perspectiva diferente da vida. Ele queria se gastar para que outras
pessoas fossem edificadas. Isso cansa, pois envolve sentir dor, abrir mão de privilégios e sofrer calúnias.
Contudo, Paulo tinha certeza que valia a pena, veja só como ele termina a carta aos Gálatas:

“E não nos cansemos de fazer o bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não desfalecermos. Por isso, enquanto tivermos
oportunidade, façamos o bem a todos, mas principalmente aos da família da fé.” (Gl.6.9,10)

Pr. Lucas

Leave a Reply

2013 - Todos os Direitos Reservados - TALZZ